Quem foram os “Onda Choc” e como estão actualmente?

Ana Faria foi um nome marcante para as pessoas que cresceram nas décadas de 80 e 90, os seus projectos musicais conheceram sempre o sucesso e era rara a criança que não teve um vinil ou um cd dela, dos Queiinhos Frescos ou da banda que ela criou na segunda metade dos anos 80, os Onda Choc.

Foi em 1986 que surgiu esta banda infanto-juvenil constituída por rapazes e raparigas entre os 10 e os 15 anos de idade que cantavam basicamente covers de músicas conhecidas, muitas delas no top desse ano, Nacionais ou Internacionais. As k7’s dominavam todas as praças e feiras do nosso País e eles eram presença constante de diversos programas televisivos, sendo que a aparição anual na grande gala do Natal dos Hospitais era um dos momentos mais aguardados pelo público infantil que seguia o programa com a sua família.

O primeiro LP saiu com o nome da banda em 1987 e atingiu logo o Disco de Ouro por vendas superiores a 20 mil unidades, também saiu em k7 e o seu maior êxito foi a adaptação do “in the army now”, chamado “Vais p’rá tropa pá” que tinha a participação da antiga banda de Ana Faria, os Queijinhos Frescos.

Em 1988 não havia criança no País que não soubesse a letra do “Na minha idade”, o maior sucesso do disco com o mesmo nome que a banda lançou nesse ano e que chegou a disco de Platina com vendas acima das 50 mil unidades. Era já um dado adquirido que a banda tinha conquistado o seu espaço, apesar de optar por músicas por vezes mais calmas e com uma letra mais “melosa” do que a sua banda rival, os Ministars.

No ano seguinte a banda lançou 2 álbuns e conseguiu a proeza de chegar ao disco de Platina em ambos os discos. Apesar disso só o segundo dominou as rádios e a TV com uma versão própria do mega hit “Lambada”. No começo da década seguinte o sucesso continuou para a banda sediada em Oeiras e, apesar de ter chegado só ao disco de ouro, foi um dos maiores marcos da banda e aquele que muitos hoje ainda se lembram das letras das músicas. O maior sucesso foi aquele que muitos associam logo a banda, “Bikini pequenino às bolinhas amarelas” que era algo muito mais animado do que o habitual repertório dos Onda Choc e até mais na linha do que os Ministars cantavam.

Com o segundo disco desse ano, os Onda Choc voltaram ao disco de platina com o sucesso do álbum “Feira Popular” mostrando assim que o seu sucesso iria continuar nesta nova década apesar da constante mudança de elementos do grupo devido ao factor “idade”.

Em 1991 houve o mega êxito “Ela só quer, só pensa em namorar” enquanto que em 1993 ainda acompanhei e cantei um dos seus maiores sucessos “Ele é o Rei”.

A banda continuou a editar discos até o fim do Milénio, mas nunca mais atingiu nenhum grande sucesso como os das décadas passadas. Tenho 2 k7’s, um vinil e o cd dos grande êxitos que foi editado pelos anos 2000 e continuo a gostar de ouvir alguns dos temas devido a levarem-me numa viagem pelas memórias de um tempo melhor da minha infância onde os ouvia em conjunto com a outra banda infanto-juvenil do momento, os Ministars. Como curiosidade existem algumas personalidades do nosso tempo que começaram a sua carreira nesta banda, Pedro Camilo, Micaela e Donna Maria são alguns dos mais conhecidos. É impossível não pensar nesta banda devido ao sucesso da mesma e a constante passagem das suas músicas, no conjunto venderam mais de um milhão de discos o que no nosso país é algo digno de registo.

Gostaste desta noticia?

Classificação média 5 / 5. Classificações até ao momento: 2

No votes so far! Be the first to rate this post.

Next Post

Lá se vão os tempos do velhinho Winamp

Eu recordo-me de um dos primeiros programas que se instalava após um download, era o Winamp, o programa que a esmagadora maioria utilizava para escutar música no computador. Em 1999 […]
Translate »